Sábado, 24 de Fevereiro de 2007

Charneca em flor

Enche o meu peito, num encanto mago,
O frémito das coisas dolorosas...
Sob as urzes queimadas nascem rosas...
Nos meus olhos as lágrimas apago...

Anseio! Asas abertas! O que trago
Em mim? Eu oiço bocas silenciosas
Murmurar-me as palavras misteriosas
Que perturbam meu ser como um afago!

E, nesta febre ansiosa que me invade,
Dispo a minha mortalha, o meu bruel,
E já não sou, Amor, Soror Saudade...

Olhos a arder em êxtases de amor,
Boca a saber a sol, a fruto, a mel:
Sou a charneca rude a abrir em flor!

                              Florbela Espanca

sinto-me:
tags: ,
publicado por picarota310172 às 15:58
link | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

.Abril 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Poesia

. Nuvens correndo num rio

. Vaidade

. O NOSSO dia!

. Fiz um conto para me emba...

. Tortura

. Para sempre...mulher! Par...

. Auto-retrato

. Charneca em flor

. ORQUÍDEA