Sábado, 24 de Fevereiro de 2007

Charneca em flor

Enche o meu peito, num encanto mago,
O frémito das coisas dolorosas...
Sob as urzes queimadas nascem rosas...
Nos meus olhos as lágrimas apago...

Anseio! Asas abertas! O que trago
Em mim? Eu oiço bocas silenciosas
Murmurar-me as palavras misteriosas
Que perturbam meu ser como um afago!

E, nesta febre ansiosa que me invade,
Dispo a minha mortalha, o meu bruel,
E já não sou, Amor, Soror Saudade...

Olhos a arder em êxtases de amor,
Boca a saber a sol, a fruto, a mel:
Sou a charneca rude a abrir em flor!

                              Florbela Espanca

sinto-me:
tags: ,
publicado por picarota310172 às 15:58
link | comentar | favorito
4 comentários:
De daniela. a 25 de Fevereiro de 2007
devo dizer que costumo ler tudo menos jornais e poesia. no entanto os poemas que publicas dao vontade de ler 4 ou 5 vezes, de tao bem escritos que estao :)

bjs
De picarota310172 a 26 de Fevereiro de 2007
Ainda bem que gostas! São "escolhidos a dedo" para agradar a quem aprecia...
Beijinhos.
De aprenderaviver a 27 de Fevereiro de 2007
Bonito poemam gostei muito.
Espero q esteja tudo bem!
Beijiho!
De picarota310172 a 28 de Fevereiro de 2007
Olá miga, está tudo bem, obrigado.
Ainda bem que gostas do meu cantinho, eu estou perdida de amores por ele!
Volta sempre!
Um beijinho.

Comentar post

.Abril 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Poesia

. Nuvens correndo num rio

. Vaidade

. O NOSSO dia!

. Fiz um conto para me emba...

. Tortura

. Para sempre...mulher! Par...

. Auto-retrato

. Charneca em flor

. ORQUÍDEA